Pequenas Almas e o Espírito da Pobreza

en flag
cs flag
fr flag
de flag
it flag
ja flag
pt flag
ru flag
es flag
tr flag
Voiced by Amazon Polly

JMJ

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.

Meu Senhor, permita-me, por favor, imploro-lhe que diga algumas palavras, mesmo que apenas de menor valor, sobre este assunto mais benéfico e santo. Uma alma tão pequena e miserável como a minha certamente lutará para dizer qualquer coisa útil sobre um assunto tão importante e, portanto, meu Senhor, eu rezo, Você inspira qualquer um que lê isto para procurar sacerdotes, bispos e religiosos que são muito mais instruídos do que eu sobre um assunto tão profundo e divino. Sou apenas uma alma humilde e infiel que luta diariamente contra as tentações deste mundo e, portanto, é com uma mão nervosa que procuro escrever sobre um tema tão elevado. Guia a minha caneta, eu imploro-Te, meu Esposo Celestial, pois sem a Sua inspiração não há nada de valor que uma alma tão miserável e vil como a minha jamais poderia dizer sobre este assunto da pobreza espiritual. Para nós, Seus servos, peregrinos aqui nesta terra, a bênção do amor da santa pobreza é de extrema utilidade. Que ganhemos, por Sua graça, um verdadeiro espírito de pobreza - uma pobreza que não é aquela que oprime seus servos, embora essa pobreza também tenha seu valor para aqueles que você escolheu para sofrer pobreza material para seu benefício espiritual, mas que liberta nós, pequenas almas, da armadilha e dos olhares do Diabo. Um espírito que nos liberta para adorá-Lo sozinho com todo o nosso coração, toda a nossa mente e toda a nossa alma. Sem a pobreza de espírito, somos deixados para ser servos, não de vós, nosso Santíssimo Senhor, a quem devemos procurar sozinhos entregar-nos livremente na escravidão amorosa, mas, em vez disso, tornamo-nos servos de dinheiro, fama, honras, prêmios e elogios - nos tornamos, meu Senhor, servos do ego. Não nos tornamos nada além de servos do mundo. Tornamo-nos servos daquele mestre que procura apenas afastar as nossas almas do amor de vós, o nosso Senhor mais misericordioso, e em vez disso, passar os nossos dias no amor e adoração dos prazeres e confortos mundanos. Nós não podemos servir dois mestres - sabemos que isso em nossas almas é verdade, pois você mesmo disse isso para nós. Por que, então, Senhor, não podemos nos libertar das garras deste mundo e, em vez disso, procurar essas tentações do Diabo; tentações que, talvez, fornecem algum material vã e temporário prazer, mas pelo qual pagamos com nossas almas imortais? É porque somos apenas as almas mais fracas e vis que trocamos a eternidade com Você, nosso Senhor mais abençoado e misericordioso, por um punhado de ouro sobre a terra. Portanto, meu Senhor, Meu Salvador, Minha esperança, peço-lhe que abençoe a todos nós, seus servos, com corações transbordados de um profundo amor à pobreza espiritual. Dai-nos o pleno conhecimento, imploro-vos, da nossa natureza vil e infiel para que nós, que merecemos apenas o vosso ódio e a vossa justiça, possamos vir a saber que está apenas sobre ti, nosso Senhor, a quem devemos depender para a nossa salvação. É só você, e não nossos semelhantes, que são tão incapazes de se levantar como nós, que devemos procurar agradar - você que tem em sua infinita misericórdia por nós achou adequado nos salvar do castigo eterno do infernal, do qual nós mesmos não temos esperança de merecer a liberdade, e no qual nós, por nossa própria A natureza merece ser lançada por toda a eternidade. É só por sua misericórdia que somos redimidos. Não busquemos então as recompensas, os elogios, os louvores ou os benefícios que provêm de um amor equivocado e buscando os bens, prazeres e reputação que podem ser adquiridos deste mundo. O preço é muito alto. Meu Senhor, que nunca caiamos num estado tão miserável que vejamos o comércio da vida eterna nos vossos braços como valor menos do que o louvor do nosso próximo. Meu Deus me livre deste pensamento de entrar na mente de seus fiéis servos. Mantém-nos livres, meu senhor, peço-vos sinceramente, nós, pequenas almas, que desejamos desesperadamente ver o vosso rosto no Céu, de sempre desejarmos recompensas e louvores deste mundo. Nós, conhecendo plenamente a nossa miséria, procuramos ser vistos por ninguém além de Vós, nosso querido Senhor - e isso façamos apenas com a maior humildade e com espírito de serviço e louvor. Mantenha-nos em nossas vidas buscando trazer glória somente a você através de nossas ações. Nunca busquemos honras mundanas pelo uso do que Pequenos e humildes talentos Você achou apropriado conceder a nós, nosso Senhor, como estes que Você nos deu com um único propósito - servir e trazer glória a Ti, nosso Bendito e Misericordioso Senhor. Por isso, peço-vos que nunca, meu Senhor, procuremos desonrar-Te procurando honrar-nos a nós mesmos. Abençoe-nos com coraèöes verdadeiramente humildes e encha-nos com o espírito da verdadeira e santa pobreza para que nunca sejamos feitos escravos do Inimigo. Assim fortificados, meu Senhor, seremos libertados sobre o mundo como vossos servos e soldados e seremos fortalecidos na guerra que está constantemente a ser travada contra Satanás, os seus lacaios, e aquelas almas impenitentes que Ele seduziu e corrompeu em Seu serviço mais profano. Veste-nos com a armadura da santa humildade e armar-nos com a espada da pobreza espiritual e seremos um exército de servos para o Senhor contra o qual o inimigo e os seus lacaios nunca prevalecerão! Assim fortificados seremos capazes, com Vossa Graça, nosso Senhor, de resistir até aos mais severos ataques do Diabo. Que todos nós, seus pequenos e tímidos servos, conheçamos a verdadeira liberdade que vem de amar-vos sozinhos e que nunca busquemos os prazeres dados por ninguém além de vós, nosso Santo Esposo no Céu. Amém

[Post escrito nota: Eu gostaria de dizer que eu achei esta uma carta muito difícil de escrever. Sou apenas uma alma pequena e humilde, por isso escrever sobre temas tão elevados como a virtude e a pobreza não é fácil. Eu sou apenas um pecador lutador que não é abençoado com nenhuma graça ou conhecimento incrível. Eu luto diariamente para me impedir de cair no pecado e na tentação, e só depois de muitos dias de oração e pedir a Deus que remova de mim a inspiração para escrever sobre este tema que me sento hoje para compor este Carta. Se há algo de valor dentro dele é somente por Sua graça, pois eu nunca poderia esperar escrever algo útil sobre um tema tão divino. No entanto, se houver erros, dos quais imagino que haja muitos, que sirvam para expor a minha miséria e ignorância em relação a temas tão sublimes e sirvam para lembrar todos os que lêem isto que eu não sou senão um pecador infiel que é incapaz de qualquer bem. É com esta declaração que partilho hoje esta carta. Fim da nota de escrita do post.]

Irmãos e irmãs em Cristo, hoje escrevo-vos o pouco que o Senhor me abençoou para saber sobre o tema da santa pobreza. Muitos grandes e santos homens e mulheres escreveram obras muito mais profundas e benéficas que tratem deste assunto e eu imploro-vos que as procurem, pois elas serão muito mais benéficas do que qualquer coisa que eu possa esperar produzir. Como muitos, ainda luto diariamente contra as tentações do mundo. Minha compreensão de uma virtude tão importante está faltando devido à minha própria natureza como uma alma imperfeita; no entanto, com a ajuda de Deus somente, espero compartilhar com vocês alguns pensamentos especificamente relacionados a como nós, pequenas almas, que nos encontramos incapazes de voar com gigantes espirituais, também podemos, em nosso mais humilde esforços para viver vidas adequadas ao nosso Senhor Abençoado, responder ao chamado de Deus de que todos nós procuramos viver vidas dignas de receber a grande graça do amor à pobreza. Antes de podermos amar, temos de saber e, portanto, juntos, procurar saber como nós, pequenas e miseráveis almas, podemos começar a dar os primeiros passos para a liberdade que nos é oferecida pelo jugo da pobreza santa e divina.

Gostaria de observar que, ao falar de pobreza ao longo desta carta, estou sempre a referir-me à pobreza espiritual, não à pobreza material. Embora uma vida materialisticamente simples, creio eu, seja de facto louvável, não é este tipo de pobreza que mais nos beneficia. Certamente, um aumento da pobreza material acompanha muitas vezes o caminho para a pobreza espiritual; no entanto, isso é porque, à medida que se começa a desejar menos as honras sem sentido e o prestígio orgulhoso que vêm com a busca da aprovação de outras criaturas, o coração começa a descansar na paz encontrada no interior do servo que encontra a sua paz nas honras e glória dadas ao seu mestre. Quando uma escrava não procura a sua própria glória, mas a do seu mestre, não lhe dará então as chaves de todos os seus recursos? Este mestre não amará mais o seu servo? Quando cessarmos a obsessão egoísta de nossa preocupação com nossas reputações e procurarmos apenas usar nossas vidas para trazer glória e honra ao nosso Senhor Ele, que é um mestre mais justo do que qualquer criatura poderia esperar ser, nos dará tudo o que é necessário para trazer a Sua glória através de nós. Quando a vontade dos escravos é a vontade do Senhor, tudo o que os escravos recebem do mestre é tudo o que os escravos podem desejar. Nós, em nossa natureza egoísta e caída, servimos o que nos traz o que mais desejamos. Quando nos consideramos dignos de louvor e honra, e em nossa pecaminosidade nos preparamos para obtê-los para nós mesmos, devemos então servir aqueles de quem vem a honra, o louvor e a glória mundanos. Não é a glória mundana temporária que nosso Senhor deseja nos dar - embora, se Ele julgar necessário que tenhamos essas coisas para servi-Lo melhor Ele certamente o dará, e nós devemos aceitar esse fato com corações humildes - mas é recompensa e honra eternas que Ele deseja nos dar no mundo para vir. Aqueles que são pobres de espírito, que sabem ser indignos de honra e louvor, aqueles que sabem o quão impossível seria para eles ganhar a salvação para si mesmos sem o sacrifício mais perfeito de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, aqueles que procuram não viver para sua própria glória, mas para os glória de seu Senhor são verdadeiramente almas abençoadas com a graça da pobreza espiritual.

Peçamos que todos nós, meu Senhor, busquemos viver vidas que não temos qualquer estima por qualquer outra criatura que você criou, mas que, em vez disso, meu Senhor, eu te imploro, vejamos a grande honra que recebemos em buscar não glória para nós mesmos, mas para Ti, nosso bendito Senhor. Sejamos todos firmes em nossa resolução de que as únicas coisas nesta vida que encontraremos confortantes são aquelas que trazem a Ti a maior honra e que nos fazem os mais desprezados por aqueles que procuram viver no mundo sem amar você, nosso Deus. Não procuremos ser amados pelos outros, a menos que isso leve outros a amá-Lo ainda mais. Não busquemos honra para nós mesmos, a menos que, ao fazê-lo, sejamos capazes de lhe trazer uma honra ainda maior. Não busquemos as recompensas desta vida, a não ser que, ao tê-las, sejamos capazes de usá-las para aumentar o amor, o respeito e a reverência por você, nosso Santíssimo Jesus. Que nunca nos encontremos enganados por Satanás, fazendo crer que qualquer coisa neste mundo pode ser uma recompensa maior do que aquela recompensa infinitamente maravilhosa que Você prometeu para nós no Céu - olhar para o Seu rosto adorável, ver Deus com nossos próprios olhos. Meu Senhor, que os corações de seus servos não pensem por nada mais que este dom divino de estar com Você no Seu Reino Celestial. Que nós, rezo, sejamos levados ao abraço purificador de Tua Mãe Santíssima e abençoada e que Ela nos forme, por Sua Graça, em servos adequados de Ti sobre a terra, para que nós pode viver nossas vidas de uma maneira que Você pode chamar outras pessoas para a Sua Família Espiritual. Que não sejamos vistos, mas somente Vós, nosso Senhor. Mantenham-nos sempre cheios do espírito de pobreza, abençoem-nos com o conhecimento da nossa verdadeira miséria, e libertem-nos de uma vida de servidão ao mundo que não nos traz uma única recompensa que não devemos deixar para trás quando Você finalmente nos chamar de lar. Mantenhamos nossos corações fixados em você, e conhecendo nossa verdadeira pobreza de qualquer poder para realizar qualquer bem por nossa própria conta confie somente em Ti, nosso Senhor. Que nunca busquemos glorificar a nós mesmos, mas glorificar somente Vós, nosso Deus, na maneira como vivemos nossas vidas. Abençoe-nos com a coragem de nos afastarmos das tentações de apego à honra, ao louvor e às riquezas mundanas - não pensemos, meu Senhor, eu te imploro, que sejam dignos de procurar -, mas deixe-nos saber plenamente que qualquer coisa de bom que possamos ter feito que possa merecer essas honras mundanas e sem sentido só acontece com Vossa Graça. Que nós, então, meu Senhor, sempre sejamos encontrados oferecendo estas honras a Ti para que os outros possam conhecer, amar e viver para si mesmos vidas que trazem glória a Ti. Se uma alma se encontrar atraída por Você através da vida de uma das Suas almas dedicadas, seria a maior bênção que você poderia conceder a ela. Que nós, então, meu Senhor eu rezo, não esperemos nada mais do que ser uma pequena alma através da qual Você traz outros para o Seu rebanho. Amém.

Portanto, Irmãos e Irmãs, uma pequena alma é pobre de espírito quando sabe o quão pequena é. Quando procura apenas viver no mundo para glorificar o seu Senhor. Muitos de nós nos encontramos trabalhando longas horas, assumindo inúmeros compromissos, ou sacrificando a moral e os ensinamentos de nosso Senhor que sabemos ser verdadeiros para que possamos obter uma promoção no trabalho e ganhar mais dinheiro, para que possamos ganhar o respeito dos outros pais na escola de nossos filhos, ou para que possamos ganhar o respeito dos outros pais, ou para que possamos tornar-se amigos ou ganhar o respeito de alguém que achamos que pode nos ajudar a promover nossos objetivos materialistas. No entanto, a fim de cumprir esses muitos compromissos, passamos menos tempo lendo livros espirituais benéficos, para impressionar aquele novo supervisor que perdemos a missa no domingo para participar de um passeio de golfe, ou para ganhar favores com uma pessoa influente, assistimos a um comício para o aborto, porque sabemos defender o valor da vida humana. fará com que sejamos socialmente ostracizados. É tudo desordenado pensar meus queridos irmãos, minhas queridas irmãs. Nunca caiamos nisto, e se nos encontrarmos a fazê-lo, corrigiremos rapidamente o caminho certo. Devemos buscar o favor, o amor e a relação somente de nosso Senhor. Todo o resto que fazemos devemos servi-Lo. Isso não significa que não podemos desfrutar de recreação - já que a recreação nos refresca e nos permite voltar ao nosso verdadeiro trabalho com renovado zelo - e isso não significa que todos nós devemos ser eremitas vivendo sem amigos ou família - na verdade, é através da interação, amor e construção de relacionamentos com os outros que a maioria das pessoas vem a conhecer melhor como interagir, amar e construir um relacionamento com nosso Senhor Abençoado. O que isso significa é que nunca devemos pensar em nós mesmos gigantes espirituais ou criaturas que mereçam innately qualquer honra ou louvor acima de qualquer outra criatura - verdadeiramente, quando nos conhecemos é impossível desejar qualquer honra ou louvor, seja qual for, a menos que seja direcionado não para nós, mas para as obras que o Senhor tem Trabalhou através de nós, pequenas almas. Devemos desejar tornar-nos santos - isto não se opõe à pobreza espiritual - mas não devemos desejar tornar-nos santos para que outros nos louvem. Devemos desejar fazê-lo apenas para agradar a Deus. Isto é verdade em todos os outros aspectos da nossa vida, meus irmãos e irmãs em Cristo. Se formos bem sucedidos em ganhar uma promoção, deve ser para que possamos servir melhor a Deus através dessa promoção; no entanto, ela não deve ser conquistada de uma forma que nos leve a negligenciar nossa obrigações para com nosso Senhor. Se fizermos isso - mesmo que tenhamos nos convencido de que estamos perdendo a missa porque ela irá, no final, glorificar a Deus - não podemos esperar ser bem sucedidos. Seria melhor não recebermos o prêmio e usarmos os recursos com os quais já fomos abençoados para honrar nosso Senhor. Se devemos quebrar nossos compromissos com Deus, a fim de ganhar a recompensa ou louvores oferecidos por alguns compromissos mundanos, não é Deus que deseja que tenhamos essas recompensas, mas os nossos egos na melhor das hipóteses e o inimigo na pior das hipóteses. Deus jamais vos pedirá o que vos faz agir injustamente para com Ele. Ele pode permitir que o diabo o tente com esses pensamentos e idéias, mas isso é para o seu benefício espiritual. Resistir firmemente ao inimigo. Nunca vos deixeis enganar pelo inimigo e pensar que estareis pior se não negligenciardes o vosso Senhor. Nas palavras de Santa Teresa de Ávila:

[Comece a citar:]” Deixe esta preocupação para Aquele que pode mover tudo, porque Ele é o Senhor do dinheiro e daqueles que ganham dinheiro. Por Sua ordem viemos aqui. Suas palavras são verdadeiras; elas não podem falhar; antes, o céu e a terra falharão. Não o deixemos falhar; não temais que Ele vos desiluda. E se algum dia ele falhar com você, será para um bem maior. As vidas dos santos falharam quando foram mortos por causa do Senhor, mas isso aconteceu para que, através do martírio, sua glória fosse aumentada. Seria uma boa troca desistir de tudo para o prazer da abundância eterna.” [Finalizar cotação.]

Todos nós devemos viver no mundo, e, portanto, todos temos que encontrar uma maneira de sobreviver neste mundo. No entanto, não devemos depender de nós mesmos, mas de nosso Senhor. Devemos ser felizes com a sorte que Ele considerou apropriado para nós liderar em nosso exílio sobre esta terra, e devemos aceitar que as coisas que não podemos alcançar sem quebrar seus mandamentos, sem sacrificar nossas almas, não são boas para nós. Se ele quisesse que nós os tivéssemos, ele os tornaria alcançáveis dentro dos limites de seu caminho estreito e perfeito. Para alguns, este mundo sente, com razão, como se fosse apenas um momento passante, mas para outros que se permitiram enganar - ou que rejeitaram completamente as verdades que nos foram dadas por Nosso Senhor. e Salvador Jesus Cristo - a vida temporária sobre esta terra começa a se tornar uma ilusão que parece ser a única meta digna para a qual eles devem se esforçar. No entanto, aqueles que buscam apenas o mundo encontram-se em uma batalha perdida contra o inimigo, Satanás, que deseja enganá-los, distorcendo e abusando da própria bondade da criação que nosso Senhor nos deu para nosso benefício. O diabo nos tempara almas fracas e fracas com promessas de recompensa mundana e prazer, honra e estima de nossos pares, e títulos e riqueza material inimaginável. No entanto, ele só precisa nos temperar o tempo suficiente para nos permitirmos virar - mesmo que seja por um momento - do caminho firmemente definido por nosso Senhor e Salvador para que caiamos em uma de suas armadilhas. Não é ao mesmo tempo, pelo menos não é tipicamente, que alguém cai instantaneamente de uma vida dedicada ao nosso Senhor Abençoado para uma vida de deboche, pecado e vício. [Post writing note: Eu gostaria de observar, no entanto, que na cultura moderna que é devastada pelas heresias do modernismo, relativismo, gnosticismo e outras filosofias atrozes que se infiltraram na cultura social esta queda em uma vida de pecado vil e miséria pode, de fato, ter lugar bastante Rápido. Portanto, irmãos e irmãs, devemos nos guardar cada vez mais vigilantes se esperamos viver vidas dignas de ser oferecidas em união com o sacrifício de nosso Senhor Abençoado no Calvário. É da maior importância que nós, especialmente nestes tempos em que a própria sociedade parece ter se voltado contra nós, tomemos nossas cruzes com uma firme determinação de agir como testemunhas de nosso Senhor - nosso Senhor que Ele mesmo enfrentou perseguições impensáveis e crimes atrozes nas mãos de Sua sociedade - se assim o esperamos, por Sua Graça, entre em Seu Reino. Fim da nota de escrita do post.] Em vez disso, é por condicionamento lento que nós, fracos e infiéis, pecadores, somos desgastados pelo inimigo e levados a crer nas maiores e mais nocivas mentiras já contadas à humanidade:

A Primeira Mentira do Inimigo: por meio do pecado e da desobediência, podemos encontrar maior prazer do que aquele que é a recompensa de uma vida de oração, jejum e obediência a nosso Senhor.

Este foi o nosso Pecado Original. Confiamos nas tentações do inimigo quando ele usou a beleza da criação de Deuses para nos encorajar a usar indevidamente os objetos de Sua criação. Foi porque o fruto parecia bonito e bom que Eva, seduzida e ainda mais encorajada pelo sussurro da serpente a pensar que o que era contrário aos deuses ordena ser verdade, que ela, e depois Adão, comeram o fruto proibido. Tudo o que Deus criou é certamente bom, pois não convém aos Deuses a natureza perfeita para criar o que era mau; no entanto, Deus nos deu o livre arbítrio. Somos livres para tomar o que é bom como usá-lo para o mal. É esse mesmo dom que nos permite a capacidade de dizer sim a Deus que também nos permite gritar não em rebelião. É quando escolhemos abusar ou abusar daquilo que Deus nos deu que nós, em nossa natureza depravada, nos encontramos caindo em pecado - isso também inclui uso excessivo ou indulgência daquilo que Deus criado a fim de nos trazer algum tipo de prazer ou conforto neste mundo como o que pode ser inofensivo com moderação ou através de uso adequado pode tornar-se incrivelmente viciante ou perigoso para nós após uso extremo ou impróprio.

Para pequenas almas como nós, que são tão fracas e propensas a cair em tentação, devem permanecer humildemente satisfeitas com aquilo que Deus considerou legítimo para nós. Não devemos, como Adão e Eva se permitiram fazer, nos convencer de que temos direito a nada mais do que precisamente aquilo que Deus tem, em Sua infinita sabedoria, considerado benéfico e suficiente para nosso benefício espiritual. Devemos, por assim dizer, viver dentro de nossos meios espirituais. Se Deus coloca alguém que é propenso ao egoísmo em uma vida que requer humilde serviço essa alma, se ela permanece fiel aos mandamentos de Deus e não cobiça aquilo que Deus não considerou necessário e suficiente para seu benefício espiritual, não precisa temer que ela será perdida; no entanto, se esta alma agir desobedientemente quebrando ordens dos Deuses para buscar aquilo que Deus considerou impróprio para que ela tenha - se esta alma, talvez, perder a Missa dominical para avançar em algum assunto mundano como uma carreira e não se arrepender rapidamente - esta alma se coloca em uma Posição perigosa. É jogar com a sua vida eterna. Se esta alma tivesse permanecido pobre em espírito, teria aceitado humildemente o que Deus considerara adequado para ela, sabendo muito bem que não merecia nem isso por seu próprio mérito, e teria encontrado contentamento e segurança na Terra e recebido as maiores recompensas no Céu.

Não nos deixemos, meus irmãos e irmãs, dar estes primeiros passos de orgulho espiritual. Proteger-nos começa por confiar inteiramente em Deus - não começa a proteger-nos, mas a permitir-nos ser protegidos por Deus e pela Sua Igreja. Devemos ser pobres de espírito. Devemos saber plenamente que não é através de nós mesmos que chegamos à salvação, mas na união, pela graça de Deus, ao sacrifício mais perfeito de nosso Senhor Jesus Cristo no Calvário - a verdadeira e única fonte de nossa salvação. Quando estamos firmemente enraizados nos ensinamentos de Sua Santa e Católica Igreja, quando vivemos nossas vidas em conformidade com Sua vontade e Mandamentos para nós, quando nos humilhamos para a verdade de que é Ele quem sabe para nós o que é melhor como foi Ele que nos criou, se nos mantivermos vigilantes contra agir sobre - se protegermos nossas mentes de pensar - o que é prejudicial para nós e contra o que Deus considerou ser bom para nós, então não precisamos nos preocupar em nossa permanência temporária e curta aqui na Terra. Essa é a grande paz que nosso Senhor concede àqueles que são verdadeiramente pobres de espírito. No entanto, se permitirmos que Satanás se enraíze em nossas mentes através de nosso entretenimento ativo aqueles pensamentos que entram pela sutil exortação do inimigo, se permitirmos que ele se enraíze em nossas vidas através de nossa doação ao pensamento tentador que nós - que somos criaturas vis, miseráveis e pecaminosas - sabemos melhor do que Deus, que sabe tudo o que é bom para nós mesmos, então estaremos certamente em risco de perder nossas almas imortais. Não troquemos a salvação eterna por uma recompensa temporária. Não percamos os portões das nossas mentes para as forças do inimigo, pois é através destes meios mais sutis que ele começa a nos seduzir a acreditar nas suas outras mentiras.

A Segunda Mentira do Inimigo: que a única meta para a qual devemos nos esforçar é ganhar o louvor e a aceitação de outras criaturas.

E

A Terceira Mentira do Inimigo: que tendo conquistado a aceitação dos outros, receberemos dinheiro, honra e fama que o inimigo deseja nos enganar, acreditando que são as verdadeiras recompensas de uma vida bem vivida.

Se nos deixarmos perder a nossa confiança em Deus, e, em vez disso, colocarmos a nossa confiança em nós mesmos, começaremos a buscar aquilo que mantém este corpo físico e material como objecto principal da vida. Se nós somos os responsáveis por nosso próprio destino - se nós não acreditamos que Deus é a fonte de tudo o que é bom em nossas vidas, mas em vez disso nos permitirmos atribuir erroneamente nossos sucessos e bênçãos às nossas próprias ações - vamos começar a acreditar que a adoração do eu é mais importante que a adoração do ser do nosso Senhor. Por que nós, se acreditamos que Deus desempenhou pouco ou nenhum papel em nosso sucesso terreno - e que Deus proíba isso de ser um pensamento que entre em nossas mentes de qualquer maneira que não nos permita conquistá-lo imediatamente e, portanto, crescer na fé - viver uma vida dedicada a trazer-lhe honra e glória e não Nós mesmos? É este pensamento depravado e equivocado que leva à nossa queda mais profunda e à nossa eventual perda de nossa salvação.

Aqueles que adoram o mundo buscarão o que lhes pode dar uma porção maior do mundo. Portanto, aqueles que caem nesses pensamentos perversos serão motivados a buscar dinheiro, fama, honra e glória, não para que possam usar esses dons e bênçãos de nosso Senhor para aumentar a honra e o louvor ao nosso Deus na Terra, mas para que eles possam aumentar a honra e o louvor dado a si mesmos. Esta é uma crença muito distorcida. Quando isso acontece, a aceitação de outras criaturas - que neste pensamento desordenado são, juntamente com nós mesmos, as fontes do nosso dinheiro e do nosso sucesso - começa a importar mais para nós do que viver vidas que dão prazer a Deus. Isto é quando começamos a ter medo de defender essas obrigações, ou professar as verdades, que Deus considerou certo para nós fazermos e acreditarmos. Vamos comprometer nossa obrigação de parar de trabalhar aos domingos e assistir à missa, a fim de assumir outra mudança no trabalho para ganhar mais riqueza material. Talvez apoiemos uma decisão dos nossos amigos de participar de um comício do aborto porque não queremos nos ostracizar de nossos amigos mundanos acreditando que essas relações são mais importantes do que nossa relação com nosso Senhor Abençoado.

Por que não faríamos essas concessões se pensávamos ser mais importantes do que Deus - se nos achássemos mais dignos de louvor pelo uso de Seus dons que Ele mesmo os concedeu para nós, a fim de viver vidas que lhe trazem honra e Glória. Os amigos estão aqui agora, nos pedindo para vir com eles. Deus está na Igreja ao fundo do caminho, chamando-nos para vir à Sua mesa com nossa família espiritual na terra e no céu. Quão fácil é, uma vez que perdemos de vista o que realmente importa neste mundo, que a voz de Deus começa a se tornar apenas um sussurro fraco sob o clamor de nossos amigos, a atração de obrigações mundanas e nossos desejos egoístas de honra, fama, dinheiro e louvor. Eventualmente, podemos até deixar de ouvir o chamado de Deus inteiramente - embora, para aqueles que se arrependem, Ele esteja sempre ansioso para tê-los de volta em Sua Igreja.

Meus irmãos e irmãs, lembremo-nos sempre de que, se perdermos o espírito de pobreza, não podemos certamente esperar ter progredido em virtude da humildade. Aquele que é humilde e pobre de espírito busca apenas glorificar a Deus e não pensa sobre a glória que eles mesmos podem ganhar de suas ações. Essas almas não precisam se preocupar ou se sentir alarmadas se Deus lhes conceder a bênção do sucesso material. Uma alma que pensa assim nunca considerará fazer nada além de usar esses dons para trazer mais glória ao seu Deus. No entanto, uma alma que não conhece a humildade e não vive uma vida de pobreza espiritual - uma que não conhece, ou que se recusa a acreditar, sua verdadeira incapacidade de fazer algo de bom O que quer que seja por seu próprio poder, deve fugir rapidamente dos bens deste mundo, rejeitando todas as honras, louvores e riquezas, pois eles são perigosos para ele. Uma alma deve gastar seu tempo em oração incessante ao seu Senhor, implorando-Lhe, de quem somente vem a grande graça do verdadeiro conhecimento de si mesmo. em seu coração e mente o pleno conhecimento de sua miséria, e depositai neles um espírito de obediência e absoluta confiança em nosso Senhor. Só depois de ter sido abençoado com um verdadeiro espírito de pobreza é que se pode esperar libertar-se verdadeiramente da escravidão do mundo e do diabo. Nossas almas servem o que nossos corações e mentes amam. Se nossos corações amam o mundo viveremos em escravidão ao mundo e receberemos apenas as recompensas temporárias dadas pelos reis do mundo. Se nossos corações amam apenas Cristo, viveremos em escravidão a Cristo e seremos recompensados pelo próprio Rei dos Céus com a recompensa eterna da vida com Aquele que só nossos corações devem querer viver.

Meu Senhor, peço-Lhe urgentemente que envie sobre nós, Seus servos, um amor de santa pobreza para que possamos nos tornar verdadeiramente livres de qualquer mestre que não seja Você, de quem jamais desejaríamos ser livres. Que você nos abençoe a todos com corações humildes e com o conhecimento de nossa própria impotência, e que nos impeças de pensar que nós, criaturas miseráveis e vis, merecemos honras, louvor ou glória por nós mesmos. Em vez disso, meu Senhor eu oro, deixe-nos viver vidas nas quais não somos visíveis, exceto para que você possa nos usar para trazer mais Glória e para, apenas por Sua Graça, viver vidas que são testemunhas fecundas da Sua promessa de Salvação, a fim de que, através de nós, Você possa ganhar almas para o Seu Reino. Meu Deus, se ao menos fôssemos dignos de ser abençoados com uma vida através da qual até uma alma é salva, que sublime recompensa seria para almas tão pequenas e humildes. Não caiamos nas tentações do diabo, meu Deus, e que nos mantenha sempre satisfeitos apenas com aquilo que consideraste necessário para a nossa salvação e benefício espiritual. Guarde-nos sempre, meu Senhor, suplico-te, de nos considerarmos com direito a mais dons ou recompensas do que aqueles que vêm de Ti devido a alguma habilidade ou talento que consideraste necessário para nós termos. Verdadeiramente, todo o bem que nos permite e nos inspira a realizar - pois de fato, qualquer bem que vem de nós vem somente de Ti, meu Deus - é feito para que sejas glorificado na terra através de nós. Lembremo-nos sempre humildemente de que não é a nós que devemos procurar colocar aos olhos e aos olhos dos outros, mas somente a Vós, nosso Senhor, que é merecedor de toda honra, de toda glória e de todos os louvores. Mantém-nos sempre fiéis servos de Ti, nosso Senhor e Salvador, e nunca nos consideremos tão elevados a ponto de pisar até mesmo por um movimento do caminho que Tu - na tua infinita sabedoria - ardeu perfeitamente para cada uma das Suas criaturas antes de entrarmos neste mundo. Fiquemos sempre cheios de fé e confiança em Ti, para que possamos sempre dizer sim ao Seu chamado. Assim como humildemente e voluntariamente se permitiram sofrer as grandes provações e atrocidades da sua Paixão - perseguição, sofrimento e humilhação que nenhuma de nós, pequenas almas, jamais esperaríamos suportar - que aceitemos o fardo cada vez mais leve dessas cruzes que nos consideraste dignos de carregar em união com Ti, nosso Senhor e Salvador. Que você nos guarde sempre, meu Senhor, eu te imploro, de sempre procurar alcançar mais do que aquilo que Você sabe ser bom para nós, e possa sempre viver vidas, fortificadas pelo amor inabalável à pobreza, a salvo das tentações do inimigo. Mantém os nossos olhos sempre fixos em Ti, meu Senhor, e não há nada que devamos temer; mas se os nossos olhos caírem sobre essas riquezas e aluções do mundo, somos apenas moscas indefesas atraídas para o calor incinerador da lâmpada. Mantenha-nos sempre protegidos dos perigos deste mundo, fortalecendo nossas almas com graça de humildade e envolva nossos corações no amor protetor da pobreza espiritual. Amém.

Meus irmãos e irmãs em Cristo, encerremos a carta de hoje com uma oração do Pequeno Ofício da Bem-Aventurada Virgem Maria e pedimos ao nosso Senhor que tire de nós todos os pensamentos que nos dizem que somos capazes de realizar qualquer bem com os nossos próprios méritos. Em vez disso, voltemos-nos confiantemente, amorosamente e humildemente para Ele com almas cheias de amor à pobreza do espírito - conhecendo plenamente a nossa confiança em Nosso Senhor para a nossa salvação - em oração. Imploremos a Ele que nos perdoe por toda vez que agimos de forma egoísta e sem humildade atribuindo a nós mesmos alguma honra ou glória que era verdadeira e justamente devida somente a Ele. Rezemos, pois, juntos, meus queridos irmãos e irmãs:

Perdoa, Senhor, nós te rogamos, os pecados de Teus servos; para que nós, que não podemos nos tornar agradáveis a Ti de nossas próprias ações, possamos ser salvos pela súplica da Mãe de Seu Filho nosso Senhor, que vive e reina com Ti na unidade do Espírito Santo, Deus, mundo sem fim. Amém.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.