en flag
zh flag
cs flag
fr flag
de flag
it flag
ja flag
pt flag
ru flag
es flag
tr flag
Voiced by Amazon Polly

JMJ

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Oh, meu doce Jesus, por favor, me ajude enquanto eu escrevo esta carta hoje escrevendo sobre as pequenas tentações e pecados veniais que são a ruína de pequenas almas. Esses pecados deploráveis que em sua aparente insignificância escapam de nossas mentes. Aqueles pecados veniais que temos, em nossa miséria, caíram no hábito de cometer que frequência tal que eles se tornaram não só tentação, mas rotina para nossas mentes fracas e tolas. Aqueles pecados que te causam, Nosso Abençoado Senhor, tanta dor em nosso nome devido à facilidade e disposição com que os cometemos. Nós, que tantas vezes não consideramos que todo pecado que cometemos dói o Seu Sagrado e Abençoado Coração. Quão rápido, meu Deus, nós te ofendemos. O quanto nós também magoamos nossas almas quando te magoamos. Quando um membro do corpo dói, é a cabeça que realmente experimenta a dor. Meu Deus, se pudéssemos ser libertados, imploro-Te, meu Senhor, por intercessão de Sua Santíssima Mãe Maria sempre Virgem - a Imaculada Conceição - se pudéssemos - por Vossa Graça - ser libertados de todas estas pequenas tentações com que facilidade evitaria tentações e pecados mais graves seria para nós, pequenos escravos de Seu. São esses pecados aparentemente insignificantes - ações que, ao tê-los cometido tantas vezes, já não nos parecem verdadeiros pecados - que nos levam a crescer mais depravados na vicidade e ofensividade do nosso modo de vida. É o pecado venial habitual que leva ao pecado mortal habitual. São esses pequenos pecados que nos levam eventualmente, oh meu Deus que você o impeça, a se afastar de Você totalmente impenitente e abraçando plenamente uma vida de pecado vil e deboche. Uma vida gasta não em amar e servir-Te, nosso Amado Salvador, mas em vez disso desperdiçada na busca de bens mundanos inúteis. Nós não nos tornamos muito mais do que animais depravados passando nossas vidas não fazendo o que Você ordena para ser bom para a nossa sobrevivência espiritual, mas em vez disso cedendo às nossas mais miseráveis e vis tentações. Se pudéssemos ser impedidos - por sua misericórdia, meu Senhor - de cometer esses pecados com tanta facilidade e regularidade, mas na nossa natureza miserável não podemos deixar de cair nas garras do inimigo. Proteja-nos, então, meu Senhor, de nos deixarmos entrar em nossas mentes até os mais pequenos sussurros de Satanás. Sem a Sua ajuda, meu Senhor, nós, pequenas almas, não temos esperança de entrar no Seu Reino. Na verdade, somos impotentes para fazê-lo como é somente por Sua graça que nos é concedida a entrada no Seu Reino no Céu. São as pequenas almas que passam a nossa viagem continuamente tropeçando sobre as pedras do pecado que se encontram calejados e endurecidos a qualquer coisa no caminho que não nos traga conforto imediato ou algum prazer depravado. Talvez não seja todos os dias que cometemos esses pecados mortais tremendos - embora nós cometamos isso muitas vezes o suficiente para ofendê-Lo profundamente e causar-Lhe sofrimento grave; no entanto, são esses pequenos pecados que cometemos tantas vezes sem qualquer pensamento, sem qualquer cuidado, sem quase nenhuma preocupação. pela dor que eles lhes causarão, e sem todo remorso que genuinamente nos conduza - por nossa escolha de nos afastar de Ti tantas vezes que fazer isso se torna habitual - para o infernal e para as garras do inimigo, Satanás. Então, meu Senhor, peço que nos impeça de cometer estes pecados e que nos abençoe com a sabedoria, meu Deus, imploro-te, para estarmos cientes destas pequenas tentações à medida que surgem, para que não possam passar inconscientemente em nossas mentes e se exponham através de nossas ações miseráveis. Meu Deus, se é a Tua Vontade nos tornar santos - esse propósito para o qual Você nos criou - e nos fazer viver em união com a Sua Santa Vontade, por favor, proteja-nos não só do pecado mortal, mas mantenha-nos sempre vigilantes contra todos os pecados veniais, pois são estas pequenas tentações ao pecado que nos conduzirão a uma certa ruína e Em última análise, longe de Ti, Nosso Senhor a quem devemos amar estar perto. Amém. Amém.

Meus irmãos e irmãs em Cristo, escrevo hoje sobre um tema sobre o qual já escrevi uma vez; no entanto, é de tal importância que gostaria de voltar a abordar este tema. Pois são de fato essas pequenas tentações, esses pequenos pecados aparentemente insignificantes - embora nenhum pecado seja verdadeiramente negligenciável para Nosso Santíssimo Senhor, pois Seu Sagrado Coração sente a dor de cada ofensa cometida por Seus servos - que cometemos com alarmante regularidade e imprudência por causa da frequência com a qual os envolvemos - a capacidade de criaturas miseráveis como nós de transformar a depravação em normalidade é chocante - essas talvez pequenas omissões que fazemos de bem que podemos cometer porque parecem inconvenientes para fazê-lo; são esses pequenos pecados, meus irmãos e irmãs que levam à nossa ruína, e que Abra as portas para que cometamos crimes muito mais hediondos e graves. Se nos protegêssemos de cometer até mesmo esses pequenos pecados - fortificados pela graça dos deuses - quão vigilantes estaríamos contra os pecados que nos levam à separação de Deus, longe dos Sacramentos, e nos colocariam fora do Seu reino.

Meus irmãos e irmãs, imploro-vos que passem os vossos dias muitas vezes à procura da vossa consciência para tomarem consciência destes pequenos pecados que cometemos tão rapidamente. É muitas vezes que nos encontramos renunciando a pequenas devoções que temos mantido regularmente porque o inimigo Satanás começa a nos convencer de que eles são um inconveniente para defender, de nenhum valor, ou que poderíamos estar gastando nosso tempo em tarefas mais materialistas lucrativas. Talvez devêssemos ir com os nossos amigos para jantar na sexta-feira para deliciar-se com o grande bife que eles vão desfrutar. Talvez, em vez de irmos à missa no domingo, preferiríamos ser espectadores num jogo desportivo com a nossa família. Talvez, em vez de assistir à missa diária ou de dizer o nosso Rosário diário, achemos mais benéfico passar a vida a pensar naquilo que é mundano e a salvar a Deus apenas durante uma hora no domingo, na melhor das hipóteses. Portanto, nós, em nossa miséria, relegamos nosso Deus, nosso Senhor e Salvador - Aquele que deveria ser o fulcro de nossa vida - para um único dia em que, sem dúvida, damos a Ele nossa atenção por um senso de obrigação e muitas vezes não com um traço de Amor para ser encontrado. Aquele que sofreu tanto por nós, que deu a Sua vida para que um dia possamos viver novamente para a eternidade com Seu Pai Celestial, a Ele não podemos ser incomodados em oferecer mais do que algumas míseras horas do nosso tempo. No entanto, com que facilidade damos ao inimigo, Satanás, toda a nossa atenção ao longo da semana. Toda a nossa energia e tempo é direcionada para assuntos mundanos; para ganhar dinheiro, ganhar honras e favores, para crescer em nossa reputação. No entanto, tão pouco pensamento nós damos ao nosso Deus que se tornou mais frequentemente que nossa relação com o Diabo cresce mais forte do que a relação com nosso Bendito Senhor e Salvador Jesus Cristo. É ao oferecermos-nos ao inimigo em pequenos pedaços com tanta frequência, e não ao nosso Senhor que acabaremos por nos dar a ele por completo. É assim que começamos a cair destes pequenos pecados veniais para os pecados muito mais graves e, em última análise, para a nossa destruição espiritual.

Quando perdemos nosso relacionamento com Deus, quando nos deixamos esquecer que Ele está sempre conosco - sempre ao nosso redor, ainda conosco, continuamente ouvindo nossos gritos e guiando nossos passos - quando nos deixamos esquecer esta realidade, meus irmãos e irmãs, torna-se sempre tão fácil não entender que pequena voz do Espírito Santo. Aquele Espírito que anseia voar para o teu coração, para habitar no santuário mais íntimo da tua alma. Aquele que deseja transformar-vos num tabernáculo vivo, através do qual o Senhor possa ser conhecido ao mundo - oh quanto Ele deseja voar para aqueles que se encheram de amor ao Seu cônjuge, a Imaculada Conceição. Aquele Espírito que sussurra para nós e trabalha incessantemente para direcionar nossa vontade de estar em conformidade com a Vontade dos Deuses. É quando temos um profundo e profundo amor de Nossa Senhora que o Espírito Santo voa para se unir ao seu Esposo, e quando ele está com o seu cônjuge dentro de nós - aqueles que a amam - é mais confortável para nós ouvir a Sua voz. No entanto, aqueles de nós que se enfraquecem em nosso amor por nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, e que se desvanecem em nosso amor e devoção a Sua Santíssima Mãe Maria, que se afasta de Deus, deixam-nos desprovidos da inspiração e da orientação do Espírito Santo, salvo aquilo que Deus, em Sua infinita Misericórdia, nos dispensa. almas mais indignas, a fim de nos impedir de cair em completo pecado e deboche. Ele nunca deseja que nos afastemos do Seu Reino para sempre; no entanto, somos livres de nos desviar se assim o escolhemos - e, meu Deus, meu Abençoado Salvador, quantos dos Seus servos se permitem fazê-lo. Salve-os na Tua Misericórdia. Amém.

Que nós, meu Deus, rezo, sejamos fortificados pela Graça que Tu, em Tua Misericórdia infinita, desejas dar-nos os teus servos para que nunca nos afastemos de Ti, para que nunca nos encontremos carentes de amor por Ti, para Tua Mãe Abençoada, ou para o Espírito Santo que oramos que nos guiará em todas as nossas ações todos os dias das nossas vidas. Meu Deus, se você aumentasse a nossa devoção a este Espírito Santo para que o ouvíssemos e seguíssemos todas as Suas urgências sem hesitação, seríamos sempre vigilantes até mesmo os menores pecados nos quais podemos ser tentados cair; no entanto, porque fechamos os nossos ouvidos não só à sua voz - que é sempre tão fraco para nós pequenas e miseráveis almas, que muitas vezes é bastante tranquilo até mesmo para os místicos mais abençoados de Sua Santa Igreja Católica - nos permitimos afastar o amor de nossa Senhora, renunciamos aos nossos rosários, deixamos deteriorar nosso amor e devoção para Você pensar na missa como apenas algo para o qual nós são obrigados a observar e não vê-la como a maior bênção que você nos deixou. Meu Deus, imploro-Te que dê a todos os Seus servos, grande e pequena, fervorosa devoção a Ti e à Sua mãe, e conceda-nos a todos, meu Senhor, amor profundo e afecto ao Teu Espírito Santo que nos enviaste. Se tivéssemos esta devoção a Ti, nosso Deus, quanto mais seríamos conscientes da dor extrema que te causamos quando nos afastamos de Ti e cometemos até mesmo o menor pecado. Com consciência, devoção e fé em Ti, somos fortificados em nossa vigilância contra os pecados veniais e mortais. Sem dedicação a Ti, nosso Senhor, somos deixados indefesos e indefesos; afogamo-nos nas ondas da tentação mundana e dos eternos perdidos para o fascínio do vício e do materialismo, da tentação e do mal. Sem Ti, nosso Senhor, não temos guia e partimos para procurar desesperadamente a salvação por conta própria - uma tarefa impossível para uma mera criatura. Meu Deus, se alguma coisa da nossa natureza humana caída provou imemorialmente verdade é que quando nós, Suas criaturas miseráveis e depravadas, somos deixados ao nosso poder para agarrar a salvação, não fazemos nada além de nos levar à nossa ruína. Guarde-nos, então, meu Senhor, sempre atentos à necessidade de devoção que devemos ter - e que é justamente oferecida - somente a Ti se quisermos ter alguma esperança de entrar no Seu abraço celestial quando Você nos chama do nosso exílio aqui na Terra. Que você nos impeça de cair em uma vida de vício e deboche e que você nos mantenha, meu Senhor, eu te imploro, de nos deixarmos ficar tão condicionados a uma vida de pecado que não vemos nossos passos intermináveis ao longo da marcha forçada do Diabo, pela qual Ele busca levar Seus servos para uma vida de ruína. para sempre e irremediavelmente separados de Ti, nosso Deus. Amém. Amém.

Meus irmãos e irmãs, peço-vos que dediqueis algum tempo a reflectir sobre as coisas que fazemos tantas vezes, que talvez nem sequer estejamos cientes da sua natureza como acções pecaminosas. Essas ações que realizamos de forma tão regular e tão descuidada que parecem meros “maus hábitos”. Pondere, por exemplo, quantas vezes é que acordamos de manhã com a intenção de dizer o nosso Rosário, mas ao anoitecer estamos deitados na cama sem pensar mais uma vez em realizar este acto de devoção. Com que frequência passamos pelo nosso Escritório se somos obrigados a recitá-lo - ou se optamos por fazê-lo por dedicação pessoal? Quantas vezes é que nos apressamos por esta escola divina de oração, vendo-a como meramente algo que devemos fazer e não algo que somos abençoados com a oportunidade de realizar diariamente. Quão comum é que, como estamos na missa, não pensamos em nosso Beato Senhor e Salvador Jesus Cristo, que está sendo sacrificado no altar para nossa salvação, mas, em vez disso, permitir que nossas mentes voltem para o que desejamos comer depois, o que vamos assistir na televisão naquela noite, ou um projeto que deixamos inacabados no trabalho. Quantas vezes é que passamos por alguém na rua que precisa da nossa ajuda pensando apenas que a próxima pessoa vai ajudá-los e não pensar em uma oportunidade de crescer na virtude da caridade, passar e não dar-lhes outra ideia além da que é necessária para pisar na calçada?

São tanto essas omissões do bem como essas transgressões para longe de nosso Senhor através do pecado que nos levam ao pecado mais gravíssimo. Se estivéssemos conscientes desses pecados minúsculos e aparentemente insignificantes que nos percorrem constantemente enquanto percorremos o caminho estreito que o nosso Senhor Abençoado nos traça, seríamos mais facilmente capazes de começar a modificar nossas vidas. São estes pequenos pecados que são partes e parcela de crimes mais massivos e hediondos. São estes pequenos pecados que cegam progressivamente a nossa visão para aqueles que deram pecados que lentamente começamos a habituar. Aquele que se encontra caindo no pecado do adultério, por exemplo, não começa muitas vezes por cometer genuinamente a ação hedionda da infidelidade. Em vez disso, eles são permitindo-se ver fotos imodestas e vídeos pornográficos casualmente. Eles se permitem olhar com luxúria para outros indivíduos que não são seu cônjuge - ou se eles são chamados para o celibato deliberadamente olhando para qualquer alma com impulsos e tentações. Eventualmente, cedendo a essas tentações e permitindo-lhes entrar em sua mente sem controle, o cônjuge outrora fiel entra em uma relação adúltera e uma vida de pecado grave. O adultério é apenas um exemplo de como um pecado menor muitas vezes nos leva a cometer ações muito mais graves - para realizar atos muito mais extremos para os quais nosso Senhor deve suportar grande sofrimento em nosso nome. Nosso Senhor Abençoado, que já experimentou tanta injustiça e sofrimento por nossa causa, devemos condená-Lo a mais sofrimento porque nos falta disciplina para manter nossos pensamentos e ações sempre se afastando do pecado? Uma vez que realmente reconheçamos que tendemos a cair nesses pequenos pecados habitualmente, podemos então começar a árdua tarefa de fazer o que devemos para que possamos - através da graça de Deus - corrigi-los e começar a viver nossas vidas somente para Deus plenamente. Claro que para nós, criaturas fracas, nós pequenas almas, é mais fácil para nós escrevê-las e dizer: “Eles são apenas pecados veniais. Eles serão perdoados na nossa próxima missa.” É claro que nosso Senhor nos perdoa nossos pecados veniais quando comparecemos à missa se tivermos contrição por tê-los cometido; no entanto, não é apenas este perdão que devemos buscar, mas a graça de realmente melhorar nossa capacidade de reconhecer e voltar do pecado em nossas vidas cotidianas que é importante. Esta graça, no entanto, só pode funcionar desobstruída dentro de nós se o nosso compromisso e desejo de rectificar nossas vidas e não ferir novamente o Bem-aventurado Coração de nosso Senhor Jesus Cristo é mantido profundamente e sinceramente em nossas almas. Pois, se não corrigimos a nossa vida destes pequenos pecados, como é que, então, meus irmãos e irmãs, podemos esperar evitar os pecados graves cuja falsa recompensa anã as falsas recompensas aparentemente menos prazerosas pelas quais já tão facilmente nos comprometemos?

Em vez de oferecer adoração ao nosso Abençoado Senhor e Salvador, começamos a oferecer adoração, em nossas ações, a esse vil inimigo Satanás. Fazemos uma oferenda ao inimigo de todos os nossos pensamentos e ações quando eles são direcionados para a indulgência em um vício e quando voluntariamente cedemos em tentação. No entanto, é somente a Nosso Senhor que devemos oferecer nossas ações e nossos pensamentos, nossas palavras e nossas lutas. Quando, meus irmãos e irmãs, finalmente acordarmos do nosso sono e desejarmos voltar ao Senhor talvez - se vivermos inconscientemente vidas pecaminosas por um número significativo de anos - possamos começar a pensar-nos tão profundamente nas garras do inimigo que também pecamos com a expressão do desespero - uma falta de confiança em nossos Senhores Misericórdia e perdão - e, portanto, nunca mais voltem a Ele. Meu Deus, que este nunca seja o caso dos Seus pobres e pequenos servos. Amém. Amém.

Quando o bem da criação que nosso Senhor nos deu se torna ruim para nós através do uso indevido ou da indulgência repetida, quando não nos mantivemos longe das pequenas tentações de pecar, então nos tornamos mais abertos ao compromisso daqueles pecados graves que nos separam de nosso Senhor. Não é que nos propusemos a deixar a Igreja e nunca mais voltar, mas talvez comecemos a perder a nossa presença na missa diária e a pensar então que nada de terrível nos aconteceu - enquanto, na verdade, perdemos uma excelente oportunidade para a Graça entrar em nossas vidas - nós, na nossa fraqueza, começamos para ver não santidade como o objetivo para o qual devemos orientar nossas vidas, mas dinheiro, fama, reputação ou respeito tornam-se os objetivos de nossa vida. Quão facilmente, meus irmãos e irmãs, é que nos afastamos da Graça. Quão rapidamente nós, em nossas naturezas caídas, vemos uma vida de graça e santidade como uma sem valor - no entanto, honestamente, uma vida de virtude e piedade é o que mais valioso do que os materiais mais preciosos deste mundo, é mais reconfortante do que todos os prazeres com que o inimigo pode nos provocar.

Quando optamos por não gastar nosso tempo em trabalho santo, talvez recitando um rosário extra, desistimos daquela graça que tais ações piedosas podem conter em troca de mais tempo para desperdiçar em atividades de lazer da vida ou para a capacidade de ganhar mais dinheiro e riqueza material em nossas ocupações. É através desses pecados menores, ou, na verdade, mais frequentemente, da omissão de algum bem que poderíamos realizar, que então começamos a pensar que é permitido perder uma missa dominical talvez também. É claro que pode haver momentos em que nós, em nossa fraqueza, perdemos uma Missa dominical; mas, em seguida, reconhecendo nosso passo em erro, apressamo-nos a fazer uma boa confissão e decidimos identificar, e com a ajuda de nosso Senhor Abençoado retificar, o que tem sido sobre nossas vidas que nos levou a cometer tal erro. No entanto, quantas vezes os meus irmãos e irmãs nos vemos cometendo algum pecado grave, não indo à confissão, não corrigindo nossas vidas, e então permitindo que os sussurros de Satanás comecem a entrar em nossas mentes e dominar os gritos do Espírito Santo que procuram nos levar de volta a Deus.

Quão rápido nós, criaturas miseráveis, deixamos as tentações e os sussurros do Diabo nos desviarem tão rapidamente do nosso Senhor. Pensamos que é sobre nossos termos que devemos deixar este mundo; no entanto, não é, como sabemos, em nossos termos que nos afastamos dos meus irmãos e irmãs. É só o plano de Deus que determina a hora em que seremos chamados deste exílio para enfrentar a Sua Justiça Perfeita. Não sabemos o dia em que nossos olhos se fecharão para nunca mais se abrirem. Não sabemos se esta hora em que partimos em nosso carro para começar nossa viagem para o trabalho - o trabalho que escolhemos para participar em vez da missa neste domingo para que possamos ganhar mais riqueza material para gastar nesta vida aqui e agora - é a hora em que nosso Senhor considerou apropriado nos tirar deste mundo. Portanto, é muito imprudente permitir-nos ouvir até mesmo os mais fracos sussurros encantadores de Satanás. No entanto, quantas vezes é que nós almas fracas, pequenas e miseráveis caímos propensos às tentações para um pequeno conforto mundano - a atração de dormir em alguns momentos extras quando nos leva à falta do rosário comunitário, a tentação de ter essa mordida para comer tão perto do início da missa que nos fará trocam a plenitude da Graça que recebemos na Eucaristia à mesa de nosso Senhor pela plenitude do nosso estômago que recebemos na mesa da cozinha. É com certeza nossa prontidão para perseguir essas pequenas tentações do diabo que nos parecem tão inofensivas que nos levam a cometer os pecados mais graves e ofensivos.

Meu Senhor, não sejamos vítimas destas tentações e sussurros do Diabo. Que Você nos fortaleça e nos dê a força para permanecer sempre fiéis e comprometidos a Ti. Que evitemos até mesmo estas menores tentações para que possamos então - por Vossa Graça e por intercessão de Vossa Mãe, a Santíssima Virgem Maria, e de todos os Seus Santos e Anjos - ser impedidos de cair em pecado ainda mais grave. Meu Senhor não nos deixe ver apenas os pecados mortais que, com certeza, nos separam de Ti, mas nos fazem sempre conscientes até mesmo dos mais aparentemente insignificantes pecados, pois é para aqueles que devemos prestar mais atenção, como é destes que provém o pecado grave. O pecado grave é - por Sua Graça - evitado facilmente pelos Seus servos fiéis, como Você e Seus pastores instruíram a Sua Igreja muitas vezes da grande ruína que esses pecados hediondos causarão em nossas vidas se nos permitirmos cair neles. Fomos advertidos contra eles com tanta frequência, meu Senhor, que tanto quanto o mais fraco pensamento de cometê-los nos faz tremer até o núcleo de nossas almas. No entanto, são os pecados menores que levam a essas ofensas hediondas e que tornam mais fácil para nós sermos enganados pelo Diabo. Estes pecados que abrem as portas de nossas mentes para que Satanás entre com seus sussurros e dúvidas. Meu Senhor, eu imploro-Lhe que mantenha nós Seus servos fiéis e pequenos livres dessas ofensas - esses ataques diabólicos do inimigo em que estamos tão propensos, em nossa fraqueza, a cair. Que Você nos faça sempre em guarda contra esses pequenos pecados que causam pequenas almas como nós o maior dano. Quando pensamos que estamos fazendo uma pequena concessão de que nossa vida pode ser temporariamente mais agradável que você nos deixe ver claramente o quanto de nossa vida no céu estamos sacrificando por um ganho tão pequeno e sem valor. Meu Senhor que nunca vejamos nada mais valioso do que aquele tempo com Você no céu que Você prometeu aos Seus fiéis servos, e que nós, Meu Senhor Te imploro, sejamos feitos por Sua graça em servos adequados que Você acolherá prontamente e alegremente no Seu Reino Celestial. Nunca trocaremos os bens do céu pelos bens desta terra. Nunca venderemos a promessa de salvação para o prazer obtido ao ceder à nossa fraqueza contra as pequenas tentações. Amém. Amém.

Irmãos e irmãs, é um desafio impedir-nos de cair nestas pequenas tentações que Santa Teresa de Ávila, no seu “Caminho da Perfeição”, contra as quais nos advertiu com toda a sinceridade para nos guardarmos. Não devemos, em nenhum momento, pensar que somos fortes o suficiente para resistir sozinhos a eles, meus queridos irmãos, minhas mais queridas irmãs. Nunca devemos pensar que somos capazes de suportar até mesmo essas pequenas tentações do Diabo, e devemos sempre voltar para Deus confiando nEle para nossa força e nossa proteção. Ele é verdadeiramente o único caminho absoluto e seguro para a santidade, e é por Sua Igreja que nós exilados sobre a terra devemos ser guiados para o Seu reino celestial. Na verdade, os grandes santos da nossa Igreja enfrentaram muito mais tentação que nós, pequenas almas, poderíamos imaginar e ter encontrado sucesso; mas isso porque eles sabiam, de fato, que não era a vitória deles, mas a vitória de Deus que foi conquistada por suas vidas. Sem a força e proteção de Cristo, sem a fortificação do Espírito Santo, sem a Misericórdia do Pai, nenhum santo jamais teria sido permitido entrar no reino de nosso Senhor. Também nós, meus irmãos e irmãs, estamos protegidos na medida e na proporção necessárias às provações que Deus nos enviará para realizar dentro de nós uma perfeição espiritual. No entanto, nós, pequenas almas, que sabemos que somos incapazes de qualquer bem, não devemos considerar-nos obrigados a tornar-nos grandes santos. Em vez disso, devemos contentar-nos em ser bons amigos do Senhor e confiar em Nossa Senhora para nos moldar em sacrifícios adequados ao Seu Filho, lembrando que é mesmo o mais baixo dos santos a quem é concedida a grande bênção de louvar nosso Senhor para sempre no céu. Então, meus irmãos e irmãs, permanecemos contentes com o humilde desejo de ser uma dessas pequenas almas concedidas pela misericórdia da entrada de nosso Senhor em Seu eterno abraço. Não precisamos procurar grande tentação em nossas vidas ou nos envolver em batalhas físicas angustiantes contra o próprio Diabo; em vez disso, nós pequenas almas meramente devemos servir nosso Senhor humildemente e com amor na vocação a que Ele achou conveniente chamar-nos. Fazendo isso, meus irmãos e irmãs, rezaremos através de nossas ações diárias - vivendo nossa vida o melhor que pudermos de acordo com os ensinamentos de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo - para sermos santificados. Se nos permitirmos pensar que somos fortes o suficiente para resistir à menor das tentações por conta própria, o quanto nós, pobres criaturas, enganamos a nós mesmos. Não é pela nossa força que nos opomos a estas tentações, mas pela graça e misericórdia de nosso Senhor. Confiemos então em Deus e voltemos-nos a Ele e afastamo-nos de tudo o que Ele tem, em Sua infinita sabedoria, nos advertiu para evitar. Pensar que somos almas fortes capazes é muito parecido com caminhar para um campo de batalha cheio de fogo inimigo - não nos pensemos imunes aos ataques diabólicos do diabo. Em vez disso, meus irmãos e irmãs, voltemos para dentro e vejamos a nossa miséria, a nossa impotência e a nossa incapacidade para qualquer bem. Tendo nos visto assim tão fracos, tão pequenos, tão indefesos, seremos encorajados em nossos esforços para não fazer nada mais do que virar e correr para os braços de nosso Senhor Abençoado, que prometeu nos proteger e nos fortalecer contra esses ataques do diabo, se nós, mas fielmente, depositarmos nossa confiança nEle. É por Ele que a nossa bondade, e não a nossa miséria, é permitido resplandecer, pois é Ele que ilumina e não o servo.

Sabei bem irmãos e irmãs que não passaremos todos os dias de nossas vidas sem alguma tentação e luta. Nosso Senhor, quando vê que vai beneficiar o nosso progresso espiritual, de fato permite que sejamos tentados e atacados pelo inimigo, é também Ele quem prometeu que tal tentação não excederá nossa capacidade de resistir. Quem, senão o nosso criador, conhece melhor as capacidades da nossa alma? Confiemos n'Ele, e quando a tentação surgir, voltemos-nos para Ele e para Sua Mãe Abençoada em oração, implorando pela força e força que Ele prometeu conceder àqueles que viessem a Ele fielmente. No entanto, se não nos voltarmos para o nosso Senhor Abençoado - se, em vez disso, continuarmos a pensar que somos capazes, no nosso próprio direito, de resistir e alcançar o céu -, de fato, teremos a oportunidade de nos testar. Temos livre arbítrio, meus irmãos e irmãs. Vamos, então, usar esse livre arbítrio para nos voltarmos voluntariamente ao nosso Senhor e confiarmos nEle para nos manter seguros até mesmo dessas pequenas tentações. Não permitamos que aquele mecanismo que nos foi dado pelo qual dizemos livremente “sim” a Deus se torne aquele pelo qual nos permitimos dirigir-nos para desejos e aspirações egoístas. Permaneçam, irmãos e irmãs vigilantes. Mantenham os olhos no nosso Senhor. Mantenha-se sempre buscando aprender mais plenamente os ensinamentos de nosso Senhor e de Sua Igreja para que você possa saber o que é que você deve evitar e o que é que pode levá-lo para o que é ruim para o seu bem-estar espiritual. Trabalhem sempre para conformar as vossas vidas para estarem cada vez mais em união com estes ensinamentos, pois sem estes ensinamentos que nos foram dados pela Graça de Deus, as criaturas caídas nunca poderão esperar progredir ao longo do caminho da santidade. Há sempre algo que pode ser melhorado em nossas vidas e devemos estar vigilantes na busca e no conhecimento de nossas falhas, para que possamos corrigi-las, permitindo-nos evitar mais prontamente as próximas ocasiões de pecado que levam à nossa doação em tentação, caindo da Graça, e em um Punição eterna de separação permanente de nosso Senhor.

Certamente, nosso Senhor não deseja mais nada a não ser que você se torne um grande santo no céu, mas para que isso aconteça, devemos de bom grado nos entregar inteiramente ao nosso Senhor. Nossa vontade deve ser Sua Vontade, e Ele nunca quer que você peque mesmo no menor dos meus irmãos e irmãs. Portanto, quando você sente uma tentação para com o pecado, não a escove porque é apenas um pequeno pecado. Devemos ver os pecados veniais pelo que eles realmente são - tentações que nos levam a pecados mortais, os catalisadores do pecado grave. Nós devemos temer estes mais como deixados despercebidos eles causarão muito pior estragos nas mudanças que eles fazem em nossa natureza permanente do que qualquer pecado mortal cometido uma vez, mas rápido e arrependido confessado. Verdadeiramente, não corrigidos, esses pecados aparentemente pequenos podem nos levar a entrar em uma vida não apenas de pecado venial frequente, mas de pecado mortal perpétuo, e uma vez em um ciclo de pecado mortal nos impedimos de entrar em um estado de Graça pelo qual permitimos que nosso Senhor e Salvador nos redima por Sua Misericórdia. Quando alguém não confia no Senhor, mas em si mesmo, não é provável que se veja voltando para o Senhor como uma escolha digna - embora seja a mais justa das escolhas que alguém deseja a salvação pode fazer - e em vez disso pode encontrar-se em uma espécie de auto-exílio de Deus que deseja nada mais do que acolher este caído alma de volta ao seu rebanho. Se víssemos os nossos pecados veniais por aquilo que realmente são, abster-nos-íamos deles com a força de uma alma viciada que sabe se só toma mais uma bebida, ou usa a sua droga preferida, mas mais uma vez, quão terrivelmente longe cairão de onde deveriam estar; de onde Deus deseja que estejam. Na verdade, meus irmãos e irmãs, devemos nos esforçar para pecar nem uma vez. Assim como um alcoólatra procura beber nem uma vez nós, mas abstemo-nos até mesmo do menor dos pecados - e pela Graça de Deus nos abstemos. Cada gole que tomamos do néctar da imortalidade nesta vida está um passo mais perto da justa punição da separação perpétua de Deus na próxima. Não devemos permitir-nos levar o pecado de ânimo leve. Não devemos deixar-nos mornos nos assuntos da nossa salvação eterna. Devemos permanecer sempre em guarda contra essas tentações do Diabo se esperamos estar com nosso Amado no Céu. Pois quão rápido abrimos as comportas para Satanás e seus asseclas inundarem nossas vidas quando nos permitirmos tratar qualquer pecado - qualquer ofensa contra Deus - como se não fosse nada mais do que um pequeno salto ao longo do caminho para o céu. Satanás e seus lacaios, sem dúvida, nos atacarão de forma mais violenta e nos conduzirão ao mais horrível e miserável dos pecados dos quais nunca nos consideramos capazes de cometer se nos permitirmos uma vigilância tão preguiçosa contra o pecado e a corrupção. Examina a tua consciência com frequência. Corra para a confissão quando for preciso. Nunca sejais mornos no vosso amor e devoção a Deus, e nunca vos encontrareis sozinhos neste mundo, como o nosso Bom Senhor estará sempre com aqueles que mais O amam.

Irmãos e irmãs em Cristo, fechemos esta carta com uma oração em comum da Pequena Ofício da Bem-Aventurada Virgem Maria, que muitas vezes rezamos juntos. É uma questão para a qual devemos recorrer sempre que precisarmos implorar ao Senhor para nos perdoar por nossa fraqueza. Pois nós, criaturas miseráveis e vis, cairemos em tentação; no entanto, se imediatamente, e sentirmos genuinamente remorsos por nossas ações e ofensas, pediremos perdão ao Senhor - se o encontrarmos muitas vezes no Sacramento da Reconciliação - Ele nos prometeu perdão e a força para sermos fortalecidos por Sua graça contra as forças de Satanás e os males que Ele opera sobre nós. Então, conhecendo o nosso baixo e miserável estatuto nesta terra, o nosso estado como a menor e mais fraca das almas, voltemos para o nosso Senhor e peçamos-Lhe perdão e a força para permanecer vigilantes até mesmo contra estas menores e inperceptíveis tentações com a confiança de que nosso Senhor abençoado nos manterá a salvo de cair em pecados mais graves e mortais.

Perdoa, Senhor, nós te rogamos, os pecados de Teus servos; para que nós, que não podemos nos tornar agradáveis a Ti de nossas ações, possamos ser salvos pela súplica da Mãe de Teu Filho nosso Senhor, que vive e reina com Ti na unidade do Espírito Santo, Deus, mundo sem fim. Amém. Amém.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

Written by Author
I write this blog anonymously so as not to tempt myself, who is so very weak, with social status or the other common pitfalls that come with engaging publicly. If the writings posted should bear any fruit it is by the Grace of God alone.